quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

"Meu marido gosta de me ver transar com outros homens"

CURIOSIDADES

"Quando comecei a namorar o Fagner, há 8 anos, nunca poderia imaginar como seria nossa vida sexual no futuro", conta Krissia Figueiredo (via Universa)

Arquivo pessoal

"Quando comecei a namorar o Fagner, há 8 anos, nunca poderia imaginar como seria nossa vida sexual no futuro. Meu marido tem o fetiche de me ver transar com outros homens. No início do nosso relacionamento eu tinha 20 anos e era supertradicional. Só havia tido namoros monogâmicos, tinha questões com meu corpo - odiava meus seios - e não conseguia admitir nem para mim mesma o meu desejo de experimentar coisas novas.
Continua depois da publicidade



O Fagner também não sabia ainda que curtia ser um cuckold husband [algo como 'marido corno', que é uma das categorias mais buscadas nos sites pornôs], até começar a ler contos eróticos com esse tema. E começou a sentir tesão em nos imaginar naquelas situações: eu na cama com outro cara, ele assistindo. Estávamos juntos há uns seis meses quando começaram os papos sobre isso.

Primeiro surtei. Achei que era desculpa dele para pegar outras mulheres, que não me amava mais. Pensei até em terminar tudo. Depois achei que fosse pegadinha mesmo. O Fagner querendo me testar pra ver se eu topava a ideia e aí brigar comigo. Passei um tempo sem querer ouvir falar naquele assunto..



Mas conforme ele me mandava historinhas e vídeos sobre cuckolds, minha curiosidade aguçou. Aquela fantasia começou a virar minha também, só precisava de um estímulo para libertá-la. Aos poucos, fui me sentindo à vontade para compartilhar aquilo com ele.




Ficamos quase um ano conversando sobre o assunto, até que a ideia foi amadurecendo na minha cabeça. Quando aceitei, o Fagner deu um sorrisão maravilhoso e ficou feliz da vida! Mas não foi tão fácil assim sair da teoria para a prática.




'Embarcar nessa fantasia ajudou minha autoestima' Eu ainda tinha muitos tabus e problemas de autoestima. Não me masturbava de forma alguma, por exemplo. A aceitação dessa fantasia fez parte de um combo de manifestação da minha sexualidade. Tinha dentro de mim todas essas vontades, mas estavam reprimidas por vários fatores. E foi o Fagner me ajudou a superar tudo isso. Ele comprou uns biquínis minúsculos para mim, daqueles que não tampam nada e tirou várias fotos sensuais. Criamos juntos um perfil no Instagram, ele postou as fotos e choveu comentário de caras me elogiando. Mesmo vendo aquilo, eu ainda não acreditava que o meu corpo poderia ser admirado. Leia mais clicando aqui